escritor, dramaturgo, jornalista, artista visual, cartunista

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Tizin & Tiziu vs. The Blue Fly, an ecological novel, is a good tip to read to children and youth


A tree and a bird show an adventure and eco-touring is conducted by an unidentified scenarios, but easily recognizable: the Atlantic Forest, the Amazon, the Cerrado and even in Brasilia (Brazil). This story is told by brazilian writer and playwright, José Carlos Aragão, in her new book, Tizin &Tiziu vs. The Blue Fly  (São Paulo; Paulinas, 2010). The book is the first of a series starring Tizin &Tiziu, characters originally created for a comic, but which is now published as a juvenile novel, beautifully illustrated by Flavio Fargas. Already in the process of adaptation to the puppet theater, the book is also expected to stage in August, a spectacle directed by the author.


Without giving up his fictional character and adventure, the book is a pretext for discussing various environmental issues related to the country and the world as water and air pollution, the overgrowth of cities, deforestation, extinction of species, garbage disposal, etc.

However, according to the author, not intended to exhaust all the discussion about pressing environmental issues. Rather, "presents itself as an invitation to reflection on environmental problems, in a transversal approach that can align to current pedagogical parameters without replacing the playful and seductive adventure for a formal didacticism - and almost always tedious to children and young people." For Aragão, "the book serves both the specific interests of the educator - always in need of a suitable, unique and motivating for their students - as well as the expectations of the child for an engaging and entertaining narrative."


CONTACTS WITH THE AUTHOR:

jcaragao@yahoo.com.br

editora@paulinas.com.br

aragaoescritor.blogspot.com

twitter.com/aragaomesmo



sábado, 15 de maio de 2010

Tizin e Tiziu em: A Mosca Azul

Uma árvore e um passarinho vivem uma aventura ecológica e itinerante que se desenrola por cenários não identificados, mas facilmente reconhecíveis: a Mata Atlântica, a Amazônia, o Cerrado e até em Brasília. Essa história é contada pelo escritor e dramaturgo mineiro, José Carlos Aragão, em seu novo livro, Tizin e Tiziu em A Mosca Azul (Paulinas, 2010), que será lançado neste domingo, 16, a partir das 17h, na Bienal do Livro de Minas Gerais (Expominas, Gameleira, Belo Horizonte). O livro é o primeiro de uma série protagonizada por Tizin e Tiziu, personagens originalmente criadas pelo autor (que também é cartunista) para uma história em quadrinhos, mas que é publicada agora como uma novela infanto-juvenil, magnificamente ilustrada por Flávio Fargas. Já em processo de adaptação para teatro de bonecos, o livro também deve chegar aos palcos mineiros em agosto, em espetáculo dirigido pelo próprio autor.
Sem abrir mão de seu caráter ficcional e de aventura, o livro é um pretexto para a discussão de várias questões ambientais relacionadas ao país e ao mundo, como a poluição das águas e do ar, o supercrescimento das cidades, o desmatamento, a extinção das espécies, a destinação do lixo, etc.

Porém, segundo o autor, não pretende esgotar a discussão sobre todas as questões ambientais prementes. Ao contrário, “apresenta-se como um convite à reflexão sobre os problemas ambientais, numa uma abordagem transversal que pode se alinhar aos parâmetros pedagógicos vigentes, sem substituir o lúdico e sedutor da aventura por um didatismo formal - e, quase sempre, entediante para crianças e jovens”. Para Aragão, “o livro atende simultaneamente aos interesses específicos do educador – sempre carente de suportes adequados, originais e motivadores para seus educandos -, bem como às expectativas da criança por uma narrativa envolvente e divertida”.


SINOPSE:

Tizin (forma reduzida de oiti – ou oitizeiro –, árvore muito comum na arborização urbana de muitas cidades brasileiras), cansado de ficar plantado na calçada de uma movimentada avenida, resolve se arrancar (literalmente) e sair pelo país, em busca de um lugar mais tranquilo e sossegado para fixar suas raízes outra vez.

Sua atitude inusitada atrai a atenção da mídia e ele fica famoso. Atrai também a atenção de um passarinho, um tiziu chamado Tiziu, que resolve acompanhá-lo em sua aventura.

Juntos, viajam pelo país, onde conhecem os mais variados ecossistemas e se deparam com todo tipo de ameaça ao meio ambiente: desmatamento, poluição industrial, caça predatória, contaminação dos rios, lixo, etc. Em seu périplo, conhecem também tipos curiosos: Onze-horas, a solitária flor de um jardim de praça; Jequi, um centenário jequitibá líder das árvores de um parque municipal ameaçado pela especulação imobiliária; Peixoto, o peixe que vive no esgoto; Jaca, o jacaré do Pantanal; e Bruma, uma chaminé industrial com problemas respiratórios e de consciência.

Mas a cruzada de Tizin e Tiziu torna-se uma ameaça aos interesses de Dom Baratão, dono de uma rede de lixões, que recorre uma poderosa arma secreta para tirar a dupla de seu caminho.

Bienal do Livro MG


terça-feira, 23 de março de 2010

O que vem por aí...

Com previsão de lançamento na Bienal do Livro MG, em maio, vem aí TIZIN E TIZIU: A MOSCA AZUL, com belíssimas ilustrações de Fávio Fargas. O livro, que sai pela Paulinas, é o primeiro de uma série de aventuras ecológicas protagonizada por uma árvore (Tizin) e um passarinho (Tiziu).
Tizin e Tiziu também chegam aos palcos mineiros (e, quiçá, do Brasil) ainda este ano. O projeto de montagem para um espetáculo com bonecos já conta com o apoio de leis de incentivo municipal e estadual e data de estreia deve ser definida nos próximos dias. Contatos devem ser iniciados em breve para levar o espetáculo a feiras literárias Brasil afora, além de escolas.
Também há tratativas em curso para levar aos palcos meu livro O GUARDADOR DE TIJOLOS. Para adultos, o poema deve ganhar a forma de monólogo. Novidades em breve.
AUTOR E PERSONAGEM AUTOGRAFAM JÚLIO VARELLA - 50 ANOS FAZENDO ARTE, EM NOITE DE LANÇAMENTO EM BELO HORIZONTE (Dez/2009)

EM TIRADENTES, COM O EX-MINISTRO SÉRGIO ROUANET, EM NOITE DE AUTÓGRAFOS (Jan/2010)

Júlio Varella - 50 anos fazendo arte

Depois de escrever literatura para crianças, contos, poesia, teatro e outras produções inclassificáveis, foi a vez de experimentar escrever um livro de memórias. Mas, calma: ainda não foram as minhas (se é que, um dia, as escreverei...).
Dois amigos - o produtor e diretor teatral Pedro Paulo Cava e a produtora cultural Simone Senra - recomendaram meu nome ao produtor cultural Júlio Varella, que buscava um ghost writer para ajudá-lo em seu livro de memórias.
Encarei o desafio e, após mais de um ano de conversas, entrevistas, pesquisas, ficou pronto, em dezembro de 2009, Júlio Varella - 50 anos fazendo arte, lançado em concorrida sessão de autógrafos no foyer do Palácio das Artes, em Belo Horizonte.
A edição - viabilizada com apoio das leis federal, estadual e municipal de Cultura - resume a trajetória de um dos mais importantes agitadores culturais dessas Minas Gerais, e conta com depoimentos de vários artistas e intelectuais.
CAPA DO LIVRO, QUE TEVE PROJETO GRÁFICO DE PEDRO VARELLA

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Presepada na Praça do Papa

Até 22 de dezembro/2009, estarei diariamente na Praça do Papa, em Belo Horizonte, autografando meu mais recente livro para crianças: A Presepada (Ed. Dimensão). O livro é o texto dramatúrgico de um auto de Natal para crianças que escrevi especialmente para uma encenação que acontece, desde 2004, no evento chamado Vila dos Sonhos, promovido pela Coca-Cola e produzido pela ArtBhz. Só agora editado em livro (com belas ilustrações de Rosinha Campos), o texto foi um dos premiados em um concurso nacional realizado no Paraná, em 2005, para dramaturgia com temas natalinos. Na Vila dos Sonhos, o auto é encenado diariamente, com entrada é franca (mas levando 1kg de alimento, dá direito a um passeio de trenzinho). O evento é aberto às 17 horas, com apresentações de corais, palhaços, praça de alimentação, visita à casa de Papai Noel e outras atrações. Às 19h acontece o primeiro ato da encenação, que precede a encenação principal, d'A Presepada, por volta das 20h.

quinta-feira, 20 de março de 2008

Em Bolonha

Começa no próximo dia 31 de março e vai até 3 de abril a tradicional Feira do Livro para Crianças de Bolonha. É o maior evento mundial do gênero, e chega agora à sua 45ª edição. Eu não estarei lá, mas um livro meu estará. Selecionado para a feira pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil, Abrasasasplim! (Il. Suppa; Ed. Girafinha, 2007) é um dos representantes do Brasil no evento.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

pra início de conversa

Pra ser honesto - comigo e com todos - devo dizer que é com grande ceticismo e relutância que estou iniciando um blog literário, onde pretendo divulgar alguns textos de minha autoria, inéditos ou não. A verdade é que sempre fui um crítico da internet como substituta da tradicional publicação de um livro, em todos os aspectos que envolvem essa questão. A começar por não acreditar no tão propalado fim iminente do livro, como objeto. Não me vejo - nem a maioria das pessoas - a "folhear" páginas eletrônicas de um Guimarães Rosa, um Fernando Pessoa ou um Dostoiévski, num desktop, ou mesmo num display de mão qualquer, que venha a ser lançado em breve. Também não comungo do senso comum de que o blog é um espaço democrático universal, que faculta a todos o livre acesso à produção literária desse ou daquele autor. Além do ainda restrito acesso da maioria da população ao ambiente digital no Brasil e no mundo, essa dita universalização atende mais, a meu ver, à ambição e à vaidade pessoal de quem escreve - e não consegue ser aceito pelo sistema editorial - que a uma real demanda de potenciais leitores. Blogs, dessa forma, tornam-se vitrines onde autores que buscam reconhecimento se oferecem mais a editores e olheiros, que propriamente a leitores, na expectativa de que sejam "descobertos" e publicados em brochura, escudados em uma pretensa e relativa celebridade internética. Falo, claro está, genericamente: há exceções, como em toda regra. Mas, enfim, se esse é o jogo, decidi participar, a despeito de não prescindir de continuar encaminhando meus originais às editoras e aos concursos literários - prática que já me rendeu quase 20 títulos publicados, por cinco diferentes editoras e mais de trinta prêmios no Brasil e no exterior. Pessoalmente, terei ainda que superar um desafio extra: ser fiel ao meu blog, dedicando alguns minutos do meu dia para tentar mantê-lo atualizado. É que isso vai me tomar um precioso tempo, que normalmente dedico a escrever meus poemas, contos, livros para crianças e peças de teatro...

POEMA DE AMOR CONFESSO (DECLARAÇÃO PARA OS DEVIDOS FINS)

tira-gosto #1

"Então, aqui estou: nu
como quem é dado à luz

cego que tateia a treva

cigano que compra casa.

Então, aqui estou: todo
que se faz em partes

folha que o vento leva

cinza que envolve a brasa."


Fragmento do livro POEMA DE AMOR CONFESSO (DECLARAÇÃO PARA OS DEVIDOS FINS)
(Prêmio Elpídio Câmara de Poesia/2000, editado pela Fundação de Cultura Cidade do Recife/2001).
Edição esgotada. Disponível para novos editores.